Saiba quais são os principais polos da indústria têxtil do Brasil

Entre os diversos polos industriais do Brasil, o têxtil é um dos mais importantes. Isso porque os tecidos são parte fundamental do nosso dia a dia, uma vez que nos trazem proteção, segurança e conforto. O setor têxtil não abrange apenas a produção de roupas, mas também acessórios como tapetes, cortinas, airbags, cintos de segurança etc.

Mesmo com os períodos de declínio e crises financeiras que assolam o país, a área costuma conseguir se levantar, devido à sua grande utilidade e necessidade. O Brasil tem uma grande extensão territorial e, por isso, são vários os polos industriais têxteis. Entre os principais, merecem destaque os do Ceará, do Agreste Pernambucano, do Vale do Itajaí, no estado de Santa Catarina, e do Polo de Americana, em São Paulo.

Quer saber mais sobre cada um dos polos acima? Então, continue com a gente! Vamos explicar com detalhes as características e particularidades de todas essas regiões. Confira!

Vale do Itajaí

Um dos maiores polos industriais têxteis, e sede da feira Febratex, se localiza na região Sul do país. O polo do Vale do Itajaí, composto pelos municípios catarinenses de colonização alemã Blumenau, Brusque, Joinville, Itajaí, Nova Trento, Luiz Alves, São Bento do Sul e Jaraguá do Sul, tem superado o crescimento das regiões do estado de São Paulo (as maiores do Brasil) em questão de números.

O local passou por alguns tombos financeiros nos últimos 50 anos, oriundos das crises financeiras enfrentadas no país e enchentes típicas da região. Mas ele se fortaleceu após grandes esforços das empresas — que são adeptas da reengenharia, modelo que visa à drástica reformulação das técnicas administrativas.

A região é formada por micro e pequenas empresas. Além da produção têxtil, a agroindústria, tecnologia de informação, pesca e produção naval também recebem investimentos. As companhias de grande porte do lugar são famosas pelos sobrenomes de importantes famílias locais.

Em números, a região concentra atualmente quase oito mil negócios do setor de vestuário e, no ano de 2017, exportou da China cerca de US$ 400 milhões. Falando nisso, as relações internacionais com o polo industrial do Vale do Itajaí são de crescimento constante, tendo parceiros como o Japão, os Estados Unidos e os mais diversos países latino-americanos.

Agreste pernambucano

Além do setor industrial têxtil cearense, o Nordeste conta com o polo do Agreste pernambucano. Muitos não imaginam, mas a região movimenta bilhões de reais, além de exportar e importar tecidos para os mais diversos países.

A região, que está em constante expansão, é formada pelas cidades de Caruaru, Surubim, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe. Seu tamanho expressivo contribuiu com a mudança do fluxo migratório caracterizada pelo êxodo rural: os nordestinos deixaram de ir a São Paulo e outras cidades da Região Sudeste em busca de novas oportunidades para trabalhar nos municípios de sua própria região graças à alta geração de emprego do polo industrial.

Uma das principais características das indústrias no local é o grande investimento em qualidade. As peças são produzidas com muito refino, unindo sofisticação e inovação, sempre com a grande preocupação em obter o selo da Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX). Há também um destaque especial para a produção do jeans denim, carro-chefe do polo.

As questões sociais são uma marca do polo industrial têxtil do Agreste pernambucano. Recentemente foi construída no presídio de Santa Cruz do Capibaribe uma fábrica de tecidos que, além de gerar empregos para a população carcerária, produz cerca de quatro mil peças de roupas femininas por mês, vendidas no polo industrial têxtil. A região é sede da feira Agreste Tex, em Caruaru.

Ceará

A região cearense de produção têxtil é formada por 20 municípios do estado do Ceará e mais 30 de outros estados nordestinos.  O polo tem uma história antiga, com mais de 120 anos. O grande desenvolvimento da indústria têxtil nordestina contribui bastante para a diminuição da miséria na região — que é uma das mais pobres do país. Por meio da alavancagem do setor, empregos são criados e o mercado é fortalecido.

O polo cearense já prioriza bastante a inovação. Para tanto, são adotadas práticas sustentáveis e modernas, como reciclagem dos tecidos, investimento em publicidade e marketing ou personalização de produtos. Outro destaque é a feira Maquintex, em Fortaleza.

Polo de Americana

O município de Americana faz parte da microrregião de Campinas, no estado de São Paulo. O polo industrial têxtil da região conta também com as cidades de Sumaré, Santa Bárbara d’Oeste, Hortolândia e Nova Odessa.

O local detém um dos maiores polos da indústria têxtil brasileira, com mais 600 empresas, sendo cerca de 200 delas voltadas para as fibras químicas. Estima-se que sua produção chegue perto dos R$ 4 bilhões anuais. O fato de Americana se localizar próximo à região do ABC paulista, famosa pela produção de automóveis, é um dos principais motivos para que isso aconteça.

A região também está atraindo os negócios internacionais. O polo de Americana é destaque como exportador, principalmente de fibras químicas e para os países da América Latina. Em 2021, Americana será sede da feira Tecnotêxtil Brasil.

Essas são as regiões industriais têxteis mais fortes do país. Portanto, se a sua intenção é procurar um polo com o objetivo de estabelecer negócios e buscar fornecedores para sua empresa, aproveite as nossas dicas e visite essas regiões.

Gostou de aprender mais sobre os polos industriais do Brasil? Então, não deixe de conferir também sobre a indústria 4.0 e suas expectativas para o setor têxtil. Boa leitura e até a próxima!